Fundação Padre Anchieta

Custeada por dotações orçamentárias legalmente estabelecidas e recursos próprios obtidos junto à iniciativa privada, a Fundação Padre Anchieta mantém uma emissora de televisão de sinal aberto, a TV Cultura; uma emissora de TV a cabo por assinatura, a TV Rá-Tim-Bum; e duas emissoras de rádio: a Cultura AM e a Cultura FM.

CENTRO PAULISTA DE RÁDIO E TV EDUCATIVAS

Rua Cenno Sbrighi, 378 - Caixa Postal 66.028 CEP 05036-900
São Paulo/SP - Tel: (11) 2182.3000

Televisão

Rádio

Priscilla Peixoto – Da Cenarium

MANAUS – Para celebrar os quatro anos do Ambulatório de Diversidade Sexual e Gênero da Policlínica Codajás, localizado na Avenida Codajás, bairro Cachoeirinha, zona Sul de Manaus, na próxima quinta-feira, 14, será realizado o evento intitulado “Saúde LGBTQIA+ e processo transexualizador no Amazonas – passado, presente e os desafios do futuro”.

A programação em comemoração ao ambulatório, inaugurado em setembro de 2017 com pouco mais de 20 pacientes, inicia às 8h30, no auditório Raimunda de Souza Mendes. Por conta da pandemia da Covid-19, as vagas serão limitadas a pacientes e público em geral.

“É o nosso evento de comemoração e ao mesmo tempo um marco para toda a sociedade, onde nós estamos comemorando mais de 350 pessoas acompanhadas pelo nosso ambulatório e que, de alguma forma, estão sendo mudadas e tocadas pela nossa equipe multidisciplinar, levando saúde para essas pessoas que estão passando pela sua transição de identidade de gênero”, comemora o diretor da Policlínica Codajás, Rainer Figueiredo.

Àqueles que desejarem compartilhar desta celebração podem se inscrever neste endereço eletrônico. As inscrições ficarão disponíveis até o preenchimento de todas as vagas.

Atualmente, o projeto atende mais de 350 pacientes e dispõe de acompanhamento multidisciplinar (Herick Pereira/Secom)

Atividades

Dentre as diversas atividades realizadas durante o dia está a apresentação sobre a história do ambulatório, que será feita pela ginecologista Dária Neves e contará com depoimentos de pacientes que dispuseram dos serviços oferecidos pela unidade, como os efeitos e transformações no dia a dia. Além dos relatos do pacientes, temas como a importância do nome social, a necessidade do acolhimento no Sistema Único de Saúde (SUS) e a LGBTfobia nos serviços de saúde também serão assuntos pautados na programação que irá dispor também de apresentação cultural.

Vale ressaltar a participação da coordenadora da Saúde LGBTQIA+ do Estado do Amazonas, Vivian Marangoni, que vai abordar o tema voltado para o processo Transexualizador no Amazonas e distribuição de hormônios.

Breve histórico

Atualmente, o projeto atende mais de 350 pacientes e dispõe de acompanhamento multidisciplinar (psicólogos, ginecologista, endocrinologista, assistentes sociais e outros profissionais) que dão suporte durante todo o atendimento.

Exames, consultas, orientação para obter o nome social, acompanhamento hormonal e de mudança de voz são alguns dos serviços ofertados. O projeto recebe o apoio do Governo do Estado do Amazonas e é realizado em parceria com Universidade do Estado do Amazonas (UEA) e Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).