Fundação Padre Anchieta

Custeada por dotações orçamentárias legalmente estabelecidas e recursos próprios obtidos junto à iniciativa privada, a Fundação Padre Anchieta mantém uma emissora de televisão de sinal aberto, a TV Cultura; uma emissora de TV a cabo por assinatura, a TV Rá-Tim-Bum; e duas emissoras de rádio: a Cultura AM e a Cultura FM.

CENTRO PAULISTA DE RÁDIO E TV EDUCATIVAS

Rua Cenno Sbrighi, 378 - Caixa Postal 66.028 CEP 05036-900
São Paulo/SP - Tel: (11) 2182.3000

Televisão

Rádio

Bruno Pacheco – Da Revista Cenarium

MANAUS — A cantora e atriz brasileira Eliana Pittman, conhecida como a “Rainha do Carimbó” nos anos de 1970, relembrou a trajetória de sucesso pelo mundo ao publicar, nas redes sociais, um vídeo icônico dela, na Espanha. Cantando “Ô lêlê, ô lalá. Misturei carimbó e siriá. Carimbó, sirimbó é gostoso. É gostoso em Belém do Pará“, a artista se apresentava no programa “Esta noche…fiesta”, do jornalista José María Íñigo, transmitido pela RadioTelevisión Española (RTVE).

Veja também: ‘Carimbó Hype’: movimento resgata ritmo popular no Pará com protagonismo periférico

“Mais um presente que recebo. Uma imagem linda minha nos anos 1970, na Espanha, cantando carimbó. Adoro quando aparecem essas surpresas”, escreveu a cantora, nas redes sociais, ao celebrar a lembrança de 1977, quando a música “Mistura de Carimbó” ficou conhecida mundialmente.

Eliana Pittman publicou vídeo de uma apresentação dela, na Espanha, em 1977 (Reprodução/Facebook)

Rainha do carimbó

Elegante e sempre empoderada, Eliana Pittman é natural do Rio de Janeiro, onde nasceu em 14 de agosto de 1945. Ao lado do padrasto, o saxofonista e clarinetista norte-americano de jazz Booker Pittman (1909 – 1969), a artista começou a carreira como cantora em 1961, com shows de jazz e bossa nova na cidade carioca, mas logo transformou-se num dos maiores nomes da Música Popular Brasileira (MPB) e ganhou fama internacional sendo a única brasileira a figurar na capa da revista norte-americana Ebony, maior dos Estados Unidos dedicada ao público negro.

Em 1965, Eliana foi a capa da revista norte-americana de orgulho negro “Ebony” (Reprodução)

Ao emplacar os sucessos “Das Duzentas para Lá, Abandono”, “Sinhá Pureza” e Mistura de Carimbó”, Eliana fez shows por todo o País e no exterior, como nos Estados Unidos, França, Alemanha, Suécia, Itália, Portugal, Venezuela, Espanha e México. A artista tem canções ao lado de Vinícius de Moraes, Martinho da Vila, Gilberto Gil, Chico César, Cazuza, Tom Jobim, Edu Lobo e Luiz Gonzaga, entre outros.

Após 17 anos sem gravar, a cantora lançou, em 2019, o álbum ‘Ontem, Hoje e Sempre’, da gravadora Kuarup. No disco, Eliana Pittman mescla o passado e o presente com dez gravações inéditas, além de oito faixas de uma apresentação dela, em 1970, na boate parisiense Dom Camillo.

Álbum foi lançado, em 2019, pela produtora Kuarup (Reprodução/YouTube)

Além de cantora, a artista possui trabalhos em filmes e novelas na TV Globo como “Malhação”, em 1995, “América”, em 2005, “Tempos Modernos”, em 2010, e “Sangue Bom”, em 2013. Na Netflix, Eliana Pittman participa da segunda temporada da série “Coisa Mais Linda” (2020), onde interpreta Elza Ferreira, mãe de Capitão (Ícaro Silva) e sogra de Adélia (Pathy Dejesus).