Fundação Padre Anchieta

Custeada por dotações orçamentárias legalmente estabelecidas e recursos próprios obtidos junto à iniciativa privada, a Fundação Padre Anchieta mantém uma emissora de televisão de sinal aberto, a TV Cultura; uma emissora de TV a cabo por assinatura, a TV Rá-Tim-Bum; e duas emissoras de rádio: a Cultura AM e a Cultura FM.

CENTRO PAULISTA DE RÁDIO E TV EDUCATIVAS

Rua Cenno Sbrighi, 378 - Caixa Postal 66.028 CEP 05036-900
São Paulo/SP - Tel: (11) 2182.3000

Televisão

Rádio

Marcela Leiros e Bruno Pacheco – Da Revista Cenarium

BRASÍLIA E MANAUS — Servidores da Fundação Nacional do Índio (Funai) e lideranças indígenas realizaram nesta quinta-feira, 23, uma paralisação nacional exigindo o fortalecimento do órgão, a demissão do presidente Marcelo Xavier, assim como justiça pelas mortes do servidor licenciado da instituição Bruno da Cunha Araújo Pereira e do jornalista britânico Dominic Mark Phillips, o “Dom Phillips”.

Em frente à sede da Funai, em Brasília, funcionários da fundação questionaram sobre a política de insegurança e perseguições promovidas pela atual gestão do órgão aos servidores que atuam com proximidade aos povos indígenas. Os protestos ocorreram em outras regiões do Brasil, como em Manaus (AM).

Servidores da Funai e indígenas se unem por mais segurança no campo de trabalho (Marcela Leiros/Cenarium)

“O movimento, na verdade, foi a explosão de uma série de sentimentos que estamos tendo há algum tempo, mais acentuado nos últimos três anos, de limitações ao nosso trabalho, perseguição e assédio moral. A morte do Bruno foi a gota d’água. Era um de nós, poderia ser qualquer um de nós ali [no Vale do Javari, onde ocorreu a morte], porque a falta de condição é igual”, disse uma antropóloga, servidora da Funai, que preferiu não se identificar.

Leia também: ‘Toda a diretoria da Univaja está marcada com a marca de Bruno e Dom’, diz, no Senado, coordenador da organização

Servidores e indígenas se reuniram em frente à sede da Funai, em Brasília. (Marcela Leiros/ Revista Cenarium)

A greve foi deflagrada pela Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Federal (Condsef), Federação Nacional dos Trabalhadores no Serviço Público Federal e pela Associação Nacional dos Servidores da Funai (Ansef).

Indígenas apoiam servidores da Funai, em Brasília. (Marcela Leiros/Revista Cenarium)

“Inicialmente, a gente tentou contato com o presidente da Funai, ele encaminhou uma comissão para falar com a gente. Apresentamos três demandas emergenciais, e saímos dela [da reunião] sem qualquer resposta”, disse outro servidor, que também preferiu não se identificar para evitar represálias.

Manifestantes pediram justiça pelas mortes de Dom Phillips e Bruno Araújo. (Marcela Leiros/Revista Cenarium)

Dossiê Funai

Um dossiê organizado pela Indigenistas Associados – Associação de Servidores da Funai (INA) e Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc), resultado de três anos de monitoramento conjunto, com dados desde 2019, mostrou que sob o Governo Bolsonaro, a Funai implementa uma política “anti-indigenista”.

Leia também: EDITORIAL — A ditadura do narcotráfico na Amazônia, por Paula Litaiff

Em nove capítulos, são abordados como a Funai vem trabalhando contra a própria razão de sua existência, que é proteger e promover os direitos indígenas; o perfil geral da gestão presidencial
do órgão, chamada “Nova Funai”; e normativas propostas pela “Nova Funai”, que facilitam o acesso de
terceiros à posse e à exploração econômica das terras indígenas.

Confira o dossiê na íntegra: