Fundação Padre Anchieta

Custeada por dotações orçamentárias legalmente estabelecidas e recursos próprios obtidos junto à iniciativa privada, a Fundação Padre Anchieta mantém uma emissora de televisão de sinal aberto, a TV Cultura; uma emissora de TV a cabo por assinatura, a TV Rá-Tim-Bum; e duas emissoras de rádio: a Cultura AM e a Cultura FM.

CENTRO PAULISTA DE RÁDIO E TV EDUCATIVAS

Rua Cenno Sbrighi, 378 - Caixa Postal 66.028 CEP 05036-900
São Paulo/SP - Tel: (11) 2182.3000

Televisão

Rádio

Bruno Pacheco – Da Agência Amazônia

MANAUS – O Amazonas confirmou nessa quarta-feira, 3, um terceiro caso de varíola dos macacos, a Monkeypox. Segundo a Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas (SES-AM), por meio da Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas – Drª Rosemary Costa Pinto (FVS-RCP), a nova infecção foi informada pelas autoridades sanitárias de outro Estado, cujo nome não foi revelado pela pasta.

Veja também: Varíola dos macacos: OMS declara doença como emergência de saúde pública global

Ainda de acordo com a FVS-RCP, o paciente é do sexo masculino com idade entre 20 e 25 anos, residente em Manaus, mas que está em viagem de férias em outro Estado desde 10 de julho de 2022. Assim como dos dois primeiros infectados no Amazonas, o nome do homem também não foi revelado.

Em nota, a fundação destacou que, até o momento, todos os registros da doença são importados e informou ainda que a equipe de Vigilância em Saúde do Amazonas continua mantendo em monitoramento outros dois casos suspeitos que permanecem em investigação pelo Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde de Manaus (Cievs-Manaus).

“A FVS-RCP ressalta que, de acordo com o trabalho de investigação e vigilância que vem sendo realizado, os casos da doença são importados. Ou seja, não há, até o momento, casos confirmados de transmissão autóctone (local). Todos os pacientes confirmados têm histórico de viagem recente”, informou a FVS-RCP, em nota.

Paciente tem idade entre 20 a 25 anos, é residente de Manaus, mas está em viagem de férias em outro estado desde 10 de julho de 2022 (Divulgação/FVS-RCP)

Varíola de macacos

O primeiro caso de Monkeypox no Amazonas foi registrado no último dia 28 de julho. O paciente também seria um homem com idade entre 25 e 40 anos que reside em Manaus e que, segundo a FVS-CRP, sentiu os primeiros sintomas característico da doença no dia 7 de julho, durante uma viagem a Portugal, como febre, aumento dos linfonodos do pescoço, dor de cabeça e erupção cutânea.

Veja também: Segundo caso de Monkeypox é identificado no Amazonas; FVS monitora outros dois suspeitos

segundo caso foi confirmado em 2 de agosto pela Fundação de Vigilância em Saúde. De acordo com a pasta, o paciente do sexo masculino tem idade entre 25 e 40 anos. No mesmo dia, a FVS-RCP também registrou outro caso de um homem residente em outro País e que, por estar em Manaus a trabalho, a notificação será feita na cidade onde ele tem residência fixa, de acordo com orientações das autoridades nacionais em saúde. Ou seja, não contabilizando como caso do Amazonas.

Veja também: Amazonas tem primeiro caso suspeito de ‘varíola do macaco’; material do paciente foi coletado e é investigado

Ao todo, até o momento, o Amazonas segue com seis notificações de suspeitas da doença e três casos confirmados laboratorialmente; dois suspeitos em investigação pelo Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde de Manaus (Cievs-Manaus); e um caso descartado após exame laboratorial.

Emergência global

A doença varíola dos macacos foi declarada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como uma emergência de saúde pública global em 21 de julho deste ano. A medida visa uma ação mundial e coordenada para controlar o surto do vírus e parar a transmissão.

“Acreditamos que isso possa mobilizar o mundo a agir em conjunto. Precisamos de coordenação e solidariedade para que sejamos capazes de controlar a varíola dos macacos”, afirmou o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom, em uma coletiva de imprensa em Genebra.

A varíola dos macacos é considerada como uma doença viral e a transmissão entre humanos ocorre, principalmente, por meio de contato com lesões de pele de pessoas infectadas.