Fundação Padre Anchieta

Custeada por dotações orçamentárias legalmente estabelecidas e recursos próprios obtidos junto à iniciativa privada, a Fundação Padre Anchieta mantém uma emissora de televisão de sinal aberto, a TV Cultura; uma emissora de TV a cabo por assinatura, a TV Rá-Tim-Bum; e duas emissoras de rádio: a Cultura AM e a Cultura FM.

CENTRO PAULISTA DE RÁDIO E TV EDUCATIVAS

Rua Cenno Sbrighi, 378 - Caixa Postal 66.028 CEP 05036-900
São Paulo/SP - Tel: (11) 2182.3000

Televisão

Rádio

Nathalie Bohm/TV Cultura
Nathalie Bohm/TV Cultura

No #Provoca Em Casa desta terça-feira (11), o escritor, dramaturgo, roteirista e jornalista Marcelo Rubens Paiva avaliou o atual governo, analisou as tendências de uma volta do período militar no país e ainda comentou a cusparada feita pelo presidente Jair Bolsonaro no busto de seu pai, o ex-deputado Rubens Paiva, morto na Ditadura Militar (1964-1985).

Paiva aponta que a sociedade já vem demonstrando gestos autoritários e que se aproximam de uma Ditadura. Como exemplo, ele citou as investidas do Procurador Geral da República, Augusto Aras, contra a Lava Jato; a imposição do Ministério da Educação por reitores, que antes eram decididos pela lista tríplice; e o desrespeito às leis fundamentais aos direitos humanos que se tornam cada vez mais comuns. “Era um período que a gente tinha que combater e não glorificar”, afirma ele.

O escritor ainda comenta a violência policial característica dos governos autoritários e que são cada vez mais presentes no mandato de Bolsonaro: “Jamais um civil tem que abaixar a cabeça para um militar, pelo contrário, o militar que tem que abaixar a cabeça para o civil, o militar é um servidor público”, disse.

Em 1971, quando Marcelo tinha 11 anos, seu pai, o ex-deputado Rubens Paiva, foi preso, torturado e morto no Rio de Janeiro. Um atestado de óbito foi entregue à família 25 anos depois, mas o corpo nunca foi encontrado. Em 2014, foi realizada uma homenagem a Rubens Paiva com a instalação de um busto na Câmara dos Deputados. O atual Presidente da República, Jair Bolsonaro, que na época era deputado, teria dado uma cusparada em direção à estátua, após chamá-la de “comunista”.

Segundo Paiva, Bolsonaro acredita que seu pai fornecia armas e dinheiro para Carlos Lamarca, ex-militar que participou do movimento contra a Ditadura Militar, a Vanguarda Popular Revolucionária. “Isso é um desconhecimento da história, porque o Lamarca que deveria dar dinheiro e metralhadoras para o meu pai”, defendeu.

Confira o programa completo: