Fundação Padre Anchieta

Custeada por dotações orçamentárias legalmente estabelecidas e recursos próprios obtidos junto à iniciativa privada, a Fundação Padre Anchieta mantém uma emissora de televisão de sinal aberto, a TV Cultura; uma emissora de TV a cabo por assinatura, a TV Rá-Tim-Bum; e duas emissoras de rádio: a Cultura AM e a Cultura FM.

CENTRO PAULISTA DE RÁDIO E TV EDUCATIVAS

Rua Cenno Sbrighi, 378 - Caixa Postal 66.028 CEP 05036-900
São Paulo/SP - Tel: (11) 2182.3000

Televisão

Rádio

Reprodução
Reprodução

Manaus é das capitais mais atingidas pela Covid-19 no Brasil. Em janeiro, o sistema de saúde entrou em colapso e faltou oxigênio para os pacientes. Segundo Carlos Almeida Filho (sem partido), vice-governador do Amazonas, o alinhamento do governador Wilson Lima (PSC) com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) foi um dos principais motivos para o caos na cidade.

Em entrevista à coluna Painel, do jornal Folha de São Paulo, o vice-governador do Amazonas afirmou que o estado adotou a estratégia da imunidade de rebanho, acreditando que a contaminação generalizada da população faria com que todos adquirissem anti-corpos.

Leia também: Estado de São Paulo ultrapassa a marca das 100 mil mortes por Covid-19

“A estratégia foi mostrar alinhamento [com Bolsonaro]. Uma coisa era clara, a política era de afirmar que se tinha uma imunidade de rebanho. O que acabou acontecendo foi um laboratório, a P1 [variante do coronavírus] encontrou um ambiente adequado”, disse Almeida Filho.

Em relação a falta de oxigênio, ele colocou a responsabilidade no governo estadual, pois demorou para acionar o presidente e o Ministério da Saúde. O pedido de ajuda aconteceu apenas com o cenário “era de terra arrasada”.

Denúncias contra o governo do Amazonas

Em 26 de abril, a Procuradoria-Geral da República (PGR) denunciou à Justiça o governador do Amazonas, o vice-governador e mais outras 16 pessoas por um suposto envolvimento num esquema de corrupção durante o combate a pandemia da Covid-19 no estado.

Segundo a denúncia, esse envolvimento teria causado um prejuízo superior a R$ 2 milhões aos cofres públicos. A suspeita principal é de desvio de dinheiro para a compra de respiradores.

A PGR enquadrou todos os acusados no crime de organização criminosa voltada à prática de crimes diversos, sobretudo dispensa indevida de licitação, fraude à licitação e peculato.